Síndrome do intestino irritável e a relação com a saúde e a autoestima da mulher

equipe nuvem medicina 10

Vera Ângelo Andrade

sindrome do intestino irritado

Entenda como a síndrome do intestino irritável pode afetar a autoestima das mulheres e como os probióticos podem ajudar no tratamento.

Síndrome do intestino irritável é uma patologia funcional crônica, relacionada a desregulação do eixo cérebro-intestino, a qual acomete cerca de 9-23% da população mundial1. Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua de 2019, o número de mulheres no Brasil é superior ao de homens, e a população tem 48,2% de homens e 51,8% de mulheres.2 Considerando esta informação e a maior busca pelos serviços médicos pelas mulheres, pode-se explicar a maior incidência em mulheres do que homens, em uma proporção estimada de 3-4:1.

A etiopatogênese é multifatorial e inclui hipersensibilidade visceral, alteração nos fatores do lúmen intestinal e no microbioma. Ainda são relatados aumento da permeabilidade da mucosa intestinal, translocação bacteriana, ativação da imunidade, infecções gastrointestinais prévias e até polimorfismos genéticos.1

O elevado acometimento de pacientes do sexo feminino afeta diretamente a qualidade de vida das mesmas, sendo muitas vezes  difícil o diagnóstico diferencial com outras doenças do sistema genital feminino.A sintomatologia é ampla e tem como sintomas cardinais a dor abdominal e alteração no padrão evacuatório (Tabela 1).

Tabela1 2 300x165 1

Fonte: https://theromefoundation.org/rome-iv/rome-iv-criteria

Como é feito o diagnóstico de síndrome do intestino irritável?

O diagnóstico é clínico, baseado nos critérios de ROMA IV, conforme descrito na Tabela 2.

Tabela 2 1 300x226 1

Como visto, é fundamental a  avaliação do aspecto das fezes, a qual deve ser realizada pela escala de Bristol proposta por Lewis e Heaton em 1997; sendo que os tipos 1 e 2 sugerem constipação, 3 a 5 são considerados normais e o 6 e 7 se associam a diarreia (Figura 1).3

Figura 1.  Escala de Bristol.

escala 273x300 1

Sinais de alarme, que devem ser afastados no diagnóstico diferencial, são apresentados na Tabela 3.

Tabela 3 1 300x187 1

Síndrome do intestino irritável nas mulheres

Nas mulheres, deve-se ter atenção ao diagnóstico diferencial com doenças do trato genito-urinário, como ovarianas, uterinas ou endometriose. Embora o diagnóstico de síndrome do intestino irritável não seja um diagnóstico de exclusão, mas sim afirmativo e baseado em critérios clínicos objeticos (ROMA IV), nada impede que a paciente tenha outras condições patológicas sobrepostas ao mesmo tempo.

Deve-se destacar também as alterações hormonais relacionadas ao ciclo menstrual. Observa-se com frequência uma piora dos sintomas de hipersensibilidade e dor abdominal da síndrome do intestino irritável durante o período pré-menstrual.

Quais tratamentos podem ser indicados na síndrome do intestino irritável?

O tratamento deve ser sustentado por alguns pilares básicos: comportamental, através da orientação dietética com ou sem restrição de alimentos ricos em FODMAPS (Fermentable Oligossacarideos, Dissacarídeos, Monossacarídeos e Poliois); incentivo a prática de exercícios físicos; e terapia farmacológica direcionada da forma de apresentação da doença (diarreia, constipação ou mista).

Além disso, estudos têm mostrado que os probióticos podem impactar de maneira indireta na autoestima das mulheres. Isso ocorre porque o intestino é considerado o nosso “segundo cérebro”, uma vez que está diretamente ligado ao sistema nervoso central. Um microbioma intestinal saudável pode melhorar o humor, reduzir a ansiedade e a depressão, melhorar a qualidade do sono e aumentar a energia.6 O uso de probióticos, apesar de adjuvante, demonstra benefícios na melhora de diversos sintomas relacionados a síndrome. Lactobacillus reduziram significativamente a dor abdominal e a flatulência, enquanto os sintomas gerais foram aliviados por formulações contendo Bifidobacterias.  Destaca-se  o Lactobacillus rhamnosus GG (LGG®), um dos mais estudados probióticos no tratamento da síndrome do intestino irritável, o qual é capaz de regular positivamente os níveis de serotonina em células epiteliais intestinais e em tecidos intestinais de camundongos. 

Recentemente, o papel da hipnoterapia direcionada ao intestino foi extensivamente investigado no tratamento da síndrome do intestino irritável em adultos. Dez ensaios clínicos randomizados mostraram que a hipnoterapia melhorou significativamente os sintomas intestinais e os sintomas emocionais. Esta surge como uma opção terapêutica na melhora da qualidade de vida e, consequentemente, da autoestima das pacientes.

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria com Cellera Farma  e Vera Lucia Angelo Andrade de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

Compartilhe:

Vera Ângelo Andrade

Graduação em Medicina pela UFMG em 1989, Residência em Clínica Médica/Patologia Clínica pelo Hospital Sarah Kubistchek, Gastroenterologista pela Federação Brasileira de Gastroenterologia, Especialista em Doenças Funcionais e Manometria pelo Hospital Israelita Albert Einstein, Mestre e Doutora em Patologia pela UFMG,Sócia proprietária da Clínica Nuvem Medicina BH.

plugins premium WordPress